quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

Albuns

Para visualizar os ALBUNS, Você precisa de um pouco de paciência até carregar todas as fotos, pois dependendo da sua conexão, pode levar algum tempo!!




Avenida Celeste Recco - Ferrovia Tereza Cristina - Centro de Morro da Fumaça (SC) em 14-10-2014


sábado, 4 de maio de 2013

Irmã Nazaré e Madre Maria Hauke já partiram

Quem estudou no Colégio-convento Maria Santíssima Dispensadora de Todas as Graças, o Colégio das Freiras em Morro da Fumaça, lembra das IRMÃS DO REINO DE MARIA NO COLÉGIO, que moraram na cidade no período de 1958 a 1975. Eu estudei neste colégio três anos, 73,74 e 75.

Madre Maria Gertrudes “Maria Hauke”, nasceu em Viena - Áustria, em 26-06-1918, filha de Rudolfo e Joana Hauke. Em 1938, devido a guerra nasista,  veio para o Brasil, para a Cidade de Itajú no interior de São Paulo e em seguida foi para a Cidade de Apucarana-PR, onde encontrou o Padre Francisco Korner e juntos com as Irmãs do Reino de Maria vieram para Morro da Fumaça em 1957. Faleceu agora no dia 11/03/2013 com 94 anos






Irmã Maria Nazaré, nasceu no dia 25-08-1918 em Natividade da Serra no Estado de São Paulo. Filha de José Fernandes de Souza e Maria Emilia Fernandes de Souza. Faleceu agora no dia 07/10/2012 com 93 anos



Leia também... A IGREJA CATÓLICA EM MORRO DA FUMAÇA - SC

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Irmã Anselma Bif

“Venho para abençoar não somente o prefeito e o vice, mas todos da equipe de trabalho. Faço isso por amor que tenho a esta minha cidade e quero o bem de todos”,  
Irmã Anselma Bif - Janeiro/2013
Fumacense, Filha de LEANDRO BIF e IDALINA MACCARI, Neta de BORTOLO BIF  e HERMENEGILDA SIMON BIF  e  AGOSTINO MACCARI e TERESA CITADIN MACCARI.

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

VILA DE MORRO DA FUMAÇA


Para contar a história de Morro da Fumaça é preciso voltar ao ano de 1900. Ano em que se encontravam apenas índios e mata, até que algumas famílias aqui chegaram, fugindo da crise na Europa.
Muitos italianos estavam se instalando no sul do Brasil, local que acharam ideal para cultivar suas lavouras e criar seus animais. Enfim, o lugar propício para viverem com suas famílias. O governo da época garantia a subsistência dos imigrantes até a colheita da primeira lavoura. Os italianos que aqui viviam eram privilegiados pelo Governo Imperial, que lhes pagava a viagem.
Na época o governo ainda vendia terras a preços baixos, sendo que estes valores podiam ser parcelados e pagos com a produção. Os novos moradores do sul ainda recebiam os instrumentos necessários para cultivar as suas terras, por ser a Imperatriz Tereza Cristina*, esposa do Rei Dom Pedro II e contemporânea dos italianos. Mas não foram os italianos os primeiros a pisarem nas terras que, anteriormente, eram habitadas pelos Carijós*.

Famílias vindas da Bielo-Rússia aqui se instalaram, construindo casas e igrejas. Anos mais tarde os Russos deixaram as terras para tentar a sorte em cidades como Braço do Norte e Jaguaruna. Para isso os imigrantes vindos da Rússia venderam suas terras para os italianos. Em 29 de junho de 1910, o casal José “Giuseppe” Cechinel e Hermínia Sóligo Cechinel vieram da colônia Aciolli de Vasconcellos, onde hoje está Cocal do Sul, para a futura cidade de Morro da Fumaça.
Ali, construíram a sua residência em um terreno adquirido de Antonio Miranda, morador da ex-Colônia Azambuja, pelo valor de 1:200.000rs (Um conto e duzentos mil réis)
Influenciados por JOSÉ “GIUSEPPE” CECHINEL, também seguiram o mesmo caminho, José Guglielmi e Esperança Sartor Guglielmi. A partir daí, muitos imigrantes italianos vieram de localidades como Rio América, Rio Carvão e Rio Galo. Entre essas famílias, pode-se destacar: Margotti, Maccari, Sartor, Pagnan, De Costa, Bortolatto, Frasson, Pellegrin, Serafim e outras. 

REFERENCIA
Fonte: http://www.morrodafumaca.sc.gov.br/municipio/historico/nossahistoria/27072009


Cultura


Todos os povos e sociedades possuem sua cultura por mais tradicional e arcaica que seja, pois todos os conhecimentos adquiridos são passados das gerações passadas para as futuras.

Apesar das evoluções pelas quais passa o mundo, a cultura tem a capacidade de permanecer quase intacta, e são passadas aos descendentes como uma memória coletiva, lembrando que a cultura é um elemento social, impossível de se desenvolver individualmente.

domingo, 15 de julho de 2012

Linha Torrens - 1957:2012 = 55 anos

Neste domingo, na Comunidade de Linha Torrens, Município de Morro da Fumaça(SC), teve o descerramento do monumento em homenagem aos primeiros colonizadores. O evento aconteceu após uma missa campal, às 10h, presidida pelo bispo Dom Jacinto Inácio Flach e pelo padre Marcos Rech em Honra a Nossa Senhora do Carmo.


PRAÇA VEREADOR MÁRIO MAGAGNIN (Lei municipal nº 1188 de 27/10/2005)




quinta-feira, 20 de maio de 2010

Maggio Fest

Maggio Fest
COMISSÃO EXECUTIVA Instituída a Comissão Central Organizadora - C.C.O. Maggio Fest, dos festejos a ocorrer no mês de maio de 2.010 através do DECRETO Nº 073/2009, de 23 de outubro de 2009
CARGOS
MEMBROS
Presidente da C.C.O. – Vice-prefeito Municipal
Agenir Donato Zaccaron
Vice-presidente
Roque Salvan
Tesoureiro
Baltazar de Roche
Secretário
Peterson Sartor
Assessoria de Divulgação
Cláudio Fernandes de Jesus
Assessoria de Imprensa
Fernando Militão
Assessoria Jurídica
Dr. Dijalmas Fragnani
SUBCOMISSÕES TEMÁTICAS
XIII Festa do Agricultor
Marcí José Sartor
60 Anos da E.E.B.Princesa Isabel
Profª  Margarete  Formentin de Roche
Exposições da Indústria, Comércio e Agricultura.
Gelson Valentim Bertan
Fábio Souza Medeiros
Sérgio Pagnan
Alex Sandro dos Santos
Ítalo-Brasileira
Narciso Maccari
Antonio Luiz Cechinel
Cultura, Etnias e  48º Aniversário Emancipação Político-administrativo de Morro da Fumaça
Profª Srtª Marinelza Maccari
Infra-estrutura
Engº Claudenir Medeiros da Rosa
Gastronomia
Celso Bortolatto
Segurança
1ºSgt PM Sérgio Rodrigues Dutra
Celebrações
José Gomes Rebelo
Ornamentação
Mª Ilta Goulart Maccari
Sonorização, Audiovisual e Turismo
Arcângelo Sartor Vieira
Saúde
Ilson Antonio Luciano
DECRETO Nº 073/2009, de 23 de outubro de 2009
 O senhor BALTAZAR PELLEGRIN, Prefeito Municipal de Morro da Fumaça, Estado de Santa Catarina, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 69, inciso IX, da Lei Orgânica Municipal e considerando:
- a passagem dos 100 anos de colonização deste Município a ocorrer em 20 de MAIO de 2010;
- o 48º aniversário de Emancipação Político-administrativo de Morro da Fumaça;
- a XIII festa do agricultor;
- o 60º aniversário de Fundação da Escola de Educação Básica Princesa Isabel;
- a responsabilidade cívico-sócio-cultural do governo municipal em comemorar tal efeméride fazendo resgatar os valores que construíram o progresso experimentado pelo Município;
- a necessidade de serem programados eventos relacionados àquela data;
- a intenção de promover, integrar e divulgar a comunidade Fumacense, fomentando o turismo e resgatando a cultura;
- a junção de todos os eventos em uma só data,
  
DECRETA:
Art. 1° - Fica criada no Município de Morro da Fumaça, SC, a “MAGGIO FEST” – Festas do mês de maio.
Art. 2° - Fica instituída a Comissão Central Organizadora - C.C.O. Maggio Fest, dos festejos a ocorrer no mês de maio de 2.010, alusivos à:
- passagem dos 100 anos de Colonização deste Município;
- o 48º aniversário de Emancipação Político-administrativo;
- a XIII festa do agricultor;
- o 60º aniversário de Fundação da Escola de Educação Básica Princesa Isabel.
Art. 3º - A Comissão de que trata o artigo anterior será constituída por 23 (vinte e três) membros, sendo comissão executiva e subcomissões temáticas, que serão nomeados por ato do Poder Executivo Municipal.
§1º. A Comissão aqui constituída fica autorizada a instituir subcomissões temáticas para a colimação de seus objetivos.
§2º. A participação na Comissão de que fala este artigo não importará, ao membro, remuneração de qualquer ordem sendo que seu trabalho será considerado como de relevância para o Município.
Art. 4º - A Comissão criada por este Decreto compete organizar, coordenar e administrar o calendário de eventos comemorativos e a organização dos mesmos.
§1º. A Comissão Central Organizadora - C.C.O., através da comissão executiva, tratará da implantação e funcionamento da sua sede administrativa.
§2º. A movimentação financeira será feita em conjunto, pelo Presidente e Tesoureiro da Comissão Executiva.
§3º. A Comissão Central Organizadora - C.C.O. será identificada pela sigla “C.C.O. Maggio Fest”.
§4º. Nenhum evento que avoque as comemorações será reconhecido sem a aprovação da Comissão.
§5º. Será mantido obrigatoriamente, pela Comissão Central Organizadora - C.C.O., um livro de atas para o registro das reuniões e presença.
Art. 5º - A Comissão terá seu trabalho concluído com a apresentação do relatório de suas atividades ao chefe do Poder Executivo, o que deverá ocorrer até 31 de janeiro de 2011.
Art. 6º - Será criado um monumento em homenagem a passagem dos 100 anos de Colonização deste Município, cujo desenvolvimento se dará pela Comissão, que estabelecerá, desde logo, o local de construção e/ou instalação.
§ 1º. No monumento restará expresso o sobrenome das famílias colonizadoras do Município de Morro da Fumaça.
§ 2º. O monumento será executado por conta de recursos próprios arrecadados para o evento.
Art. 7º - Resta criada a logomarca oficial do Centenário, que terá sua identificação visível em todas as repartições públicas do Município, tais quais, escolas, secretarias e entidades municipais.
§ 1º. Todos os carros oficiais do Município serão identificados com a aplicação em adesivo da logomarca oficial do centenário em seus vidros traseiros e dianteiros, inclusive os veículos contratados à disposição do Município.
§2º. Todos os impressos, correspondências e outros materiais publicitários deverão levar a logomarca do Centenário.
Art. 8º - Fica criado a logomarca oficial do Centenário, de que trata o artigo anterior, como selo comemorativo pela passagem dos 100 anos, conforme sua aprovação em ata, após apresentação do mesmo na Reunião dos membros da C.C.O. Comissão Central Organizadora no dia 13 de Outubro de 2009, seguindo nos anexos I e II deste decreto juntamente com sua defesa. 
Art. 9º - As despesas inerentes à execução deste Decreto correm por conta de dotações próprias do orçamento do exercício de 2010.
Art. 10 - Caberá a Comissão Central Organizadora - C.C.O., os contatos com empresários e entidades, visando a obtenção de patrocínios e apoios.
Art. 11 - Este decreto entra em vigor na data de sua publicação, ficando revogadas as disposições em contrário.
   
Paço Municipal Prefeito Auzílio Frasson, em 23 de Outubro de 2009.
BALTAZAR PELLEGRIN
Prefeito Municipal
  ROQUE SALVAN
Secretário de Adm. e Planejamento
 ANEXO I DO DECRETO Nº 073/2009, de 23 de outubro de 2009,  Cria a LOGO DO CENTENÁRIO DE COLONIZAÇÃO DE MORRO DA FUMAÇA
PROPOSTA DO SELO COMEMORATIVO DO CENTENÁRIO DO MUNICÍPIO DE MORRO DA FUMAÇA
Neste selo comemorativo buscou-se evidenciar a história de Morro da Fumaça (tropeiros, agricultura, olaria e ferrovia). Foram utilizados elementos visuais (morro e fumaça), para remeter ao brasão oficial do Município. Trabalhou-se o dourado para representar as riquezas, e o verde, a agricultura. No segundo morro ganham destaque as olarias, por ser um ícone do desenvolvimento da cidade e de fácil reconhecimento pela população. As fontes seguem em itálico para demonstrar o ritmo de movimento, trabalho e ação, o que mostra que Morro da Fumaça continua em constante crescimento.
ROQUE SALVAN
Secretário de Administração e Planejamento 
Paço Municipal Prefeito Auzílio Frasson, em 23 de Outubro de 2009
DEFESA DO SELO – Logomarca do Centenário de Colonização
Neste selo comemorativo busca-se evidenciar a história do Município através dos seguintes elementos representativos:
COLONOS:
Elemento essencial do selo que mostram as pessoas que fizeram Morro da Fumaça. Um homem e uma mulher representando os primeiros colonizadores.
Famílias vindas da Bielo-Rússia aqui se instalaram, construindo casas e igrejas. Anos mais tarde os Russos deixaram as terras para tentar a sorte em cidades como Braço do Norte e Jaguaruna. Para isso os imigrantes vindos da Rússia venderam suas terras para os italianos. Em 29 de junho de 1910, o casal José Cechinel e Hermínia Sóligo Cechinel vieram da colônia Aciolli de Vasconcellos, onde hoje está Cocal do Sul, para a futura cidade de Morro da Fumaça. Ali, construíram a sua residência em um terreno adquirido de Antonio Miranda, morador da ex-colônia Azambuja, pelo valor de 1:200.000rs (Um conto e duzentos mil réis). Influenciados por José Cechinel, também seguiram o mesmo caminho, José Guglielmi e Esperança Sartor Guglielmi. A partir daí, muitos imigrantes italianos vieram de localidades como Rio América, Rio Carvão e Rio Galo. Entre essas famílias, pode-se destacar: Margotti, Maccari, Sartor, Pagnan, De Costa, Bortolatto, Frasson, Pellegrin, Serafim e outras. (BIFF, 1988, p.62).
TROPEIROS:
Pessoas que contribuíram no desenvolvimento da economia de Morro da Fumaça.
Tropeiro é a designação dada aos condutores de tropas, assim designadas as comitivas de muares, e cavalos entre as regiões de produção e os centros consumidores, a partir do século XVII no Brasil pelos Bandeirantes. Mais ao sul do Brasil, também são conhecidos como carreteiros, pelas carretas com as quais trabalhavam. Num sentido mais amplo também designa o comerciante que comprava tropas de animais para revendê-las, e mesmo o "tropeiro de bestas" que usava os animais, para além de vendê-los, transportar outros gêneros para o comércio nas várias vilas e cidades pelas quais passava.
Além de seu importante papel na economia, o tropeiro teve importância cultural relevante como veiculador de idéias e notícias entre as aldeias e comunidades distantes entre sí, numa época em que não existiam estradas no Brasil.
Aqui na nossa região era o carro de bois ou a cavalo. Há 60 anos eram raros até os cavalos. Mas, Morro da Fumaça era via de trânsito de muitas coisas. Todo o carvão de Criciúma passava pela única Rua de Morro da Fumaça. Eram centenas de carros de bois que levavam carvão até o Pontão, porto de lanchas, sito entre Morro Grande e Jaguaruna. Noite e dia o ranger dos eixos de carros de boi. Era uma tortura. Da Serra da Veneza vinham tropas de bois para consumo de Tubarão e Laguna, tangidos por tropeiros a cavalo, a mula ou burro. Transportavam queijo e charque de gado. À frente da tropa, marchava uma mula bem domada
com um guizo no pescoço. Nas tropas sempre havia cães amestrados que colocavam disciplina na tropa. Eram comuns as varas de porcos tangidos por cavaleiros. Eram centenas cada vez. Muito fugiam da vara e se embrenhavam nos nossos matos e se tornavam selvagens como porco do mato. O mais curioso era o transporte de perus. Isto era coisa de Gregório Espindola. Tropa de mais ou menos 100 perus, que eram vendidos em Tubarão. Quase cinquenta quilômetros de caminho. À frente da tropa de perus ia um homem com um pouco de milho. Vez por vez soltava um punhado de milho. Dois dias de viagem até Tubarão. (BIFF, 1988, p.71).
AGRICULTURA:
Dominada principalmente pela cultura do arroz, (incluindo o cultivo e o beneficamento) e do tabaco.
OLARIA:
Grande característica de Morro da Fumaça fez-se criar um novo Morro além do selo.
Olaria é um local onde se fabricam peças de cerâmica. No Brasil existem diversos tipos de olarias, sendo algumas próprias para a fabricação de tijolos, onde utilizam-se do barro e da força elétrica ou mesmo animal, e misturando o barro com a água em equipamentos próprios.
FERROVIA:
Braço forte da economia fumacense constou-se como elemento forte na colonização.
A partir do ano de 1907, com a descoberta de novas minas de carvão em Urussanga, o Governo decretou a construção de um novo ramal da Ferrovia Tereza Cristina – (FTC) de Pedras Grandes para Urussanga via Azambuja. Porém surgiram forças políticas exigindo que este ramal fosse feito de Esplanada a Urussanga. Convenceram as autoridades e venceram. Pronto o novo ramal, começou o trem a correr. Daí por diante todo o movimento de Urussanga passou a ser feito via Vila de Morro da Fumaça. (BARDINI, 1972).
ELEMENTOS DO BRASÃO:
Foram utilizados elementos visuais (morro e fumaça), para remeter ao brasão oficial da cidade, instituído pela Lei nº 107 de 15 de maio de 1968, caracterizando e dando alto reconhecimento ao selo.
CORES:
Trabalhou-se o dourado para representar as riquezas.
Sendo que o dourado é uma cor terciária, formada pelo laranja e pelo amarelo. É utilizada constantemente para representar o ouro, que dá origem ao nome desta cor.
O verde representa a agricultura.
Esta cor contrabalança o selo causando repouso e complementação das cores.
Outras cores seguem o aspecto do brasão do Município de Morro da Fumaça e outras usam cores neutras (tons de cinza e dourado) para obter um resultado de reconhecimento positivo e agradável.
TIPOLOGIA:
As fontes seguem em itálico para demonstrar o ritmo de movimento, trabalho e ação, mostrando que Morro da Fumaça continua em constante crescimento. A tipologia do “100” é mais clássica e ornamentada com elementos em seu interior, dando aspecto histórico ao selo. As fontes menores complementam o layout e foram produzidas de forma a facilitar a leitura e a assimilação das ideias repassadas pela logomarca.
CONCLUSÃO:
Busca-se neste selo evidenciar o aspecto histórico do Município de Morro da Fumaça, resgatando personagens e fatos históricos que contribuíram para o surgimento e crescimento do município, através de informações que são facilmente assimilados ao primeiro olhar. A logomarca evidencia em primeiro lugar as pessoas, sejam elas colonizadoras, tropeiros que abriram caminho no município, agricultores e criadores de gado que ajudaram o início da economia de Morro da Fumaça, funcionários da ferrovia que, como os tropeiros, por aqui abriram caminho para o desenvolvimento da região. Enfim, todas as pessoas que por aqui passaram e suas futuras gerações que contribuíram e ainda hoje contribuem com o desenvolvimento de Morro da Fumaça.
REFERÊNCIAS
  
BARDINI, Antônio. Conhecer para Amar. 1972.
BIFF, Claudino. Morro da Fumaça e Sua Divina e Humana Comédia, 1988.
A ESTRADA DE FERRO NA VILA DE MORRO DA FUMAÇA. Disponível em
A NOSSA HISTÓRIA. Disponível em http://www.morrodafumaca.sc.gov.br/conteudo/?item=19286&fa=6404. Acesso em 20/10/09.
MORRO DA FUMAÇA. Disponível em http://pt.wikipedia.org.wiki/morro_da_fumaça. Acesso em 20/10/09.
SÍMBOLOS. Disponível em http://www.morrodafumaca.sc.gov.br/conteudo/?item=23827&fa=6404. Acesso em 20/10/09.
ROQUE SALVAN
Secretário de Administração e Planejamento 
Monumento Histórico alusivo ao Centenário de Morro da Fumaça, inaugurado no transcurso das festividades da Maggio Fest, realizada de 19 a 23 de Maio de 2010. Importante autoria do memorável projeto do Arquiteto Morrofumacense LUCAS PAVEI LUCIANO, neto do farmacêutico Ivaldo Luciano.

Programação do Centenário de Morro da Fumaça - MaggioFest
13 à 16 de maio de 2010 (Quinta a Domingo)
XXII Rodeio Crioulo Nacional, VIII Rodeio Crioulo
Internacional e Mega Tenda Eletrônica
CTG Herança do Velho Pai
16 de maio (Domingo)
10:30 - Passagem da Comitiva dos Tropeiros na Rua 20 de maio
11:00 - Chegada dos Tropeiros no CTG Herança do Velho Pai
18 de maio (Terça)
19:30 - Homenagem as Famílias Colonizadoras de Morro da Fumaça
Lançamento do Livro Morro da Fumaça 100 anos de História
Lançamento do Livro 60 Anos da Escola Princesa Isabel
Lançamento do CD “Amici Miei” Grupo Vá Pensiero
Local: Sociedade Morro da Fumaça Clube
19 de maio (Quarta)
19:30 - Abertura Oficial da Maggiofest
20:30 - Inauguração do Monumento ao Centenário
20:45 - Visitação da Feira da Industria, Comércio e Agricultura
Exposição Fotográfica 60 Anos da Escola Princesa Isabel
Exposição Fotográfica 100 Anos de Morro da Fumaça
21:00 - Apresentações Culturais
22:00 - Show Garotos de Ouro e Banda Etc & Tal - Acesso livre
20 de maio (Quinta) Feriado Municipal
09:00 - Missa 100 anos de Morro da Fumaça celebrada pelo Bispo Diocesano Dom Jacinto Ignácio Flach e Sacerdotes
10:00 - Inauguração da Galeria dos Padres de Morro da Fumaça
10:30 - Abertura do Parque de Exposições e Praça de Alimentação 10:45 - Inauguração da Galeria dos Prefeitos (Pavilhão de exposições)
11:30 - Almoço (Churrasco e comida típica)
13:30 - Baile do Centenário com Grupos da Melhor Idade e Grupos de Mães - Genésio e Banda - Acesso livre
18:30 - Gravação Programa Show da Viola - Antônio Rosa (TV)
20:00 - Apresentação Cultural - Grupo Folclórico Italo Brasileiro de Nova Veneza
21:00 - Show com Chocolate Sensual e Marília Dutra - Acesso livre

21 de maio (Sexta)
08:30 - Palestras Agricultura Familiar (Centro Pastoral)
Palestra I - Dr. Airton Spies - EPAGRI/CEPA
Perspectivas Agricultura Familiar nos Próximos 20 Anos.
Palestera II - Metereologista Marcio Sônego - EPAGRI
O Impacto das Alterações Climáticas na Agricultura.
09:00 - Atividades Pedagógicas - Escolas do município
13:30 - Continuação das Atividades Pedagógicas
19:00 - Abertura do Parque de Exposições e Praça de Alimentação
19:30 - Encontro de Corais (Igreja Matriz São Roque)
20:00 - Apresentações Culturais - Grupo Açor Sul Catarinense-Sombrio
21:00 - Show de Humor - Teatro do Biriba - Acesso Livre
22:00 - Sandro e Maicon / Diego Damásio e Banda - Acesso Livre
23:00 - Show Nenhum de Nós e Matusa * (Ginásio de Esportes)
22 de maio (Sábado)
09:00 - Passeio Ciclístico
11:30 - Almoço (Churrasco e comida típica)
14:00 - Abertura do V Encontro Nacional das Associações Trevisani Nel Mondo - Centro Pastoral
14:30 - Olimpíadas Rurais
17:30 - Entrega de Premiação Olimpíadas Rurais
18:00 - Abertura do Pavilhãos de Exposições
19:30 - Apresentações Culturais - Grupo Folclórico Polonês Orzel Byaly - Criciuma e Grupo de Danças Folclóricas Alemã Immerfroh - Forquilhinha
22:00 - Show Sergio Reis - Acesso livre
23:50 - Show Neguinho e Emanuel e Chocolate Sensual* (Ginásio de Esportes)
23 de maio (Domingo)
09:15 - Desfile das Famílias Colonizadoras de Morro da Fumaça
09:30 - Desfile das Delegações - Associações Trevisani Nel Mondo
09:45 - Desfile e Benção de Tratores
10:00 - Corrida Rústica Cidade de Morro da Fumaça
10:30 - Abertura do Parque de Exposições e Praça de Alimentação
11:00 - Chegada Trem Maria Fumaça -Tubarão à Morro da Fumaça
11:30 - Almoço (Churrasco e comida típica)
13:00 - Apresentações Culturais
15:00 - Show com Bandas locais - Acesso Livre
18:00 - Show com Os Nativos - Acesso Livre